quarta-feira, 23 de maio de 2012

FICHAMENTO II



CYSNEIROS, P. G. Novas tecnologias na sala de aula: melhoria do ensino ou inovação conservadora?


O presente artigo nos proporciona inicialmente uma trajetória acerca da história da tecnologia educacional e em uma analise fenomenológica da relação ser humano - máquina - realidade, como também aspectos da comunicação na sala de aula que podem ser transformados, ampliados ou reduzidos com os recursos da informática.
Trata da tecnologia educacional, das novas abordagens de comunicação na escola, mediadas pelas novas tecnologias da informação. Possibilitando-nos uma reflexão sobre a inserção das mesmas nas escolas, aonde apenas colocar equipamentos nas escolas, formar professores para utiliza-las, não significa melhoria na qualidade de educação, de que as mesmas estão de fato sendo exploradas de forma correta. Assim como também uma noção do que vem a ser a multidisciplinaridade da informática na educação, da utilização da internet, da informação, como as mesmas se articulam ao processo de educação.



HISTÓRIA DA TECNOLOGIA EDUCACIONAL

“Sua principal conclusão é que o uso de artefatos tecnológicos na escola tem sido uma história de insucessos, caracterizada por um ciclo de quatro ou cinco fases, que se inicia com pesquisas mostrando as vantagens educacionais do seu uso, complementadas por um discurso dos proponentes salientando a obsolescência da escola (...) Em cada ciclo, uma nova sequência de estudos aponta prováveis causas do pouco sucesso da inovação, tais como falta de recursos, resistência dos professores, burocracia institucional, equipamentos inadequados.” (p. 13).
“Após algum tempo surge outra tecnologia e o ciclo recomeça, com seus defensores argumentando que foram aprendidas as lições do passado, que os novos recursos tecnológicos são mais poderosos e melhores que os anteriores, podendo realizar coisas novas, conforme demonstram novas pesquisas. E o ciclo fecha-se novamente com uso limitado e ganhos educacionais modestos.” (p.14).
“Nossa utopia é sempre tentar mudar a história futura para melhor, e não defendo posições tradicionalistas ou contrárias à tecnologia na educação”. Vejo as novas tecnologias como mais um dos elementos que podem contribuir para melhoria de algumas atividades nas nossas salas de aula. (...) É um discurso tentando nos convencer a dar mais importância a objetos virtuais, apresentados em telinhas bidimensionais, deixando implícito que a aprendizagem com objetos concretos em tempos e espaços reais está obsoleta. “ (p.14).
“No Brasil percorremos uma história análoga, certamente mais recheada de insucessos, como demonstram teses e dissertações sobre o tema. Também tivemos uma política de rádio na educação, seguida de outras com grandes investimentos nas televisões educativas em todo o país, sempre acompanhadas de discursos inovadores”. (p.15).
“Atualmente estamos vivendo um outro estágio, com uma política federal de se colocar 100 mil computadores em escolas públicas e treinar 25 mil professores em dois anos, através do projeto PROINFO[xii] cujo ponto divergente de políticas passadas é a intenção de se alocar quase metade do dinheiro para formação de recursos humanos, procurando evitar os erros cometidos em programas deste mesmo governo como o vídeo escola, onde a ênfase maior foi na colocação de equipamentos nas escolas. “ (p.15).
“Apesar de ter havido avanços, algumas falhas desta política já podem ser notadas, como a ausência de articulação com os demais programas de tecnologia educativa do MEC, especialmente com o vídeo escola, e com outros como educação especial. Também não foi contemplada a formação regular de professores nas universidades, principalmente aqueles que estão concluindo seus cursos e entrando no mercado de trabalho.” (p.15).
“Várias faculdades de educação de universidades públicas que estão ministrando cursos de especialização para os professores que irão atuar como multiplicadores nos Núcleos de Tecnologia Educacional (NTEs) do PROINFO, não dispõem de laboratórios para trabalho com Informática Na educação. Finalmente, não existe uma política de apoio a pesquisas que façam acompanhamento e deem suporte aos NTEs que irão formar os professores da escolas beneficiadas.”(p.15).


INOVAÇÃO CONSERVADORA
“A história da tecnologia educacional contém muitos exemplos de inovação conservadora, de ênfase no meio e não no conteúdo. Devido ao efeito dramático, sedutor, da mídia, em certos casos a atenção era concentrada na aparência da aula, tomando-se como algo “dado” o conteúdo veiculado, seja na sala de aula por transparências ou filmes, ou pela difusão ampla de conteúdos, através da TV, do rádio ou mesmo de livros textos cheios de figuras, cores, desenhos, fotos. “ (p.16).
“As disciplinas de fundamentação também não ajudavam muito, ao preconizarem princípios e leis gerais de aprendizagem e de ensino, sem focar a aplicação de tais conhecimentos em conceitos específicos e sem a pesquisa sobre o ensino de tais conceitos, que oferecesse ao professor indicadores da eficácia dos novos meios e modos de apresentar o conteúdo.” (p.16).
“Atualmente a inovação conservadora mais interessante é o uso de programas de projeção de tela de computadores, notadamente o PowerPoint©, com o qual o espetáculo visual (e auditivo) pode tornar-se um elemento de divagação, enquanto o professor solitário na frente da sala recita sua lição com ajuda de efeitos especiais, mostrando objetos que se movimentam, fórmulas, generalizações, imagens que podem ter pouco sentido para a maioria de um grupo de aprendizes. (...) tais tecnologias amplificam a capacidade expositiva do professor, reduzindo a posição relativa do aluno ou aluna na situação de aprendizagem. “ (p.16).
“Vários autores reconhecem que os usos educativos das tecnologias da informação na última década - instrução assistida por computador (CAI), informações em rede, aprendizado à distância - foram embasados em métodos pedagógicos tradicionais: fluxo unidirecional de informações, tipicamente um professor falando ou comentando imagens para alunas e alunos passivos.” (p.17).
“Um excelente exemplo de inovação conservadora encontra-se em um belo livro de Asimov [xiv], exibindo e comentando uma série de cartões produzidos por um desenhista francês no final do século passado, imaginando o que seria a sociedade do ano dois mil. (...) Há pouco tempo vi uma foto em uma revista semanal de educação, provando que o desenhista estava certo, ilustrando uma situação semelhante em uma escola paulista de elite, onde os alunos portavam óculos de realidade virtual em lugar de fones de ouvido.” (p.18).
“A presença da tecnologia na escola, mesmo com bons software, não estimula os professores a repensarem seus modos de ensinar nem os alunos a adotarem novos modos de aprender. (...) Um bisturi a laser não transforma um médico em bom cirurgião, embora um bom cirurgião possa fazer muito mais se dispuser da melhor tecnologia médica, em contextos apropriados.” (p.18).


INTERNET, INFORMAÇÃO E EDUCAÇÃO

“Outro aspecto que pode confundir o educador é o discurso da necessidade da informação (colocado por Seymour Papert [xvi], e por alguns conferencistas de congressos de informática), que nos causa de inicio certa angústia ao concluirmos que a escola não tem acesso imediato à enorme quantidade de informação que é produzida diariamente no mundo.” (p.19).
“É fácil concluir que a escola também está obsoleta, que a disciplina que ensina está desatualizada, que os livros são antiquados, etc. Em tais horas, devido ao sentimento de inadequação, não ocorre ao professor que o mais importante é o ato de pensar com determinadas informações, não o acesso indiscriminado a qualquer informação.” (p.19).
“Embora a Internet seja um recurso com muito potencial para determinadas atividades educativas, ela também pode ser mais um fator de colonialismo cultural, pois estamos recebendo a informação daqueles que tem condições de colocá-la nos computadores, reduzindo nossa presença e ampliando o alcance do poder de suas ideias, com todos os fatores associados do formato hipertexto, da velocidade, de multi-representações.” (p.20).
“Nesta ótica, é muito importante que coloquemos tais máquinas nas mãos de nossas crianças e adolescentes, porém sempre predominando o ato de educar, de examinar criticamente - numa atitude freiriana -, aquilo que está lá. Onde a sabedoria de um professor de uma escola rural, ou de um velho pescador da comunidade, pode ser mais importante para a formação da identidade da criança e para a sobrevivência da cultura do que toda a informação que é produzida diariamente nos lugares sofisticados do planeta.” (p.20).
“Embora devamos perseguir o ideal de uma aprendizagem estimulante e auto motivadora - em salas de aulas ricas em recursos e com respeito à individualidade e espontaneidade do aprendiz - sabemos que além do prazer da descoberta e da criação, é necessário disciplina, persistência, suor, tolerância à frustração, aspectos do cotidiano do aprender e do educar que não serão eliminados por computadores.” (p.20).


UMA CONCEPÇÃO FENOMENOLÓGICA DA TECNOLOGIA EDUCACIONAL

“A Fenomenologia tenta abordar os objetos do conhecimento tais como aparecem, isto é, tais como “se apresentam” à consciência de quem procura conhecê-los. (...) Tal abordagem, embora pareça fácil, torna-se difícil pela enorme complexidade da experiência humana. Como diz um ditado, o peixe é o último a descobrir a água. “ (p.21).
“Nossa experiência da realidade é transformada quando usamos instrumentos {Ser Humano > (máquina) > Mundo}. Através do instrumento há uma seleção de determinados aspectos da realidade, com ampliações e reduções. A amplificação é o aspecto mais saliente e pode nos deixar impressionados, maravilhados, ao experimentarmos coisas (ou aspectos de objetos conhecidos) que não conhecíamos antes, com nossos sentidos nus. A redução, ao contrário, é recessiva e pode passar despercebida, uma vez que não ocupa necessariamente nossa consciência, impressionada com o novo. “(p.21).
“Uma das conclusões de uma primeira análise fenomenológica superficial é que a tecnologia não é neutra, no sentido de que seu uso proporciona novos conhecimentos do objeto, transformando, pela mediação, a experiência intelectual e afetiva do ser humano, individualmente ou em coletividade; possibilitando interferir, manipular, agir mental e ou fisicamente, sob novas formas, pelo acesso a aspectos até então desconhecidos do objeto”. (p.22)
“Dependendo do objeto, do sujeito (mais ou menos crítico), de sua história e da situação especifica, pode-se considerar as novas características ampliadas do objeto como mais reais do que aquelas conhecidas sem a ajuda de instrumentos. (...) Neste sentido, as realidades possibilitadas pelas novas tecnologias da informação podem ser alienantes, como nos relatos dos viciados em computadores.” (p.22).
“Para ilustrar, examinemos superficialmente o uso mais comum de computadores, que é a manipulação de textos. Que aspectos do objeto texto podem ser selecionados, ampliados, reduzidos através do instrumento? O texto em papel (em átomos amplia a permanência da escrita (não é facilmente modificável) e a comodidade de manuseio pelo leitor, podendo ser transportado para qualquer lugar, colocado em qualquer posição, riscado, dobrado, relido, compartilhado sem necessidade de qualquer outro suporte auxiliar. (p.23).                                   
Já o texto eletrônico (em bits, segundo o autor citado) é facilmente modificável e transportável sem as limitações de distâncias, mas depende de um computador e de energia elétrica para ser lido; também não é tão móvel como um conjunto de folhas de papel e não pode ser riscado com tanta facilidade.” (p.23).
“Sandholtz, Ringstaff & Dwyer [xxii], nos oferecem um dos raros relatos baseados no cotidiano de vários professores de escolas norte-americanas saturadas de tecnologia, durante cerca de uma década, assistidos por especialistas. (...) Isto no entanto, não significa que não devamos iniciá-la, que o professor desista de experimentar, de ousar. Lembro, por exemplo, de um jovem professor de uma escola de periferia de Recife, que aos sábados levava seu computador pessoal para a escola, compartilhando-o com um grupo de alunos. “(p.23).

O texto em si nos aborda todas as questões relacionadas a uma construção de novas formas de ensinar e de aprender, de conhecimentos novos, assim como também as consequências dessas novas, aonde o professor como peça fundamental neste processo deverá ter uma atitude permanente de tolerância à frustração e de pesquisa não formal, de busca, de descoberta e criação. Descoberta de usos pedagógicos da tecnologia já experimentados por outros, que exige comunicação, troca, estudo, exploração. Criação no sentido de adaptação, de extensão, de invenção. Aonde nesses processos o sucesso e o fracasso estarão sempre presentes.
O artigo levanta vários questionamentos acerca dessas novas formas de conhecimento. Falta de estrutura para abarcar essas tecnologias, e de fato proporcionar um ensino de qualidade, falta de recursos, de infraestrutura, de verba, de capacitação profissional, enfim levanta questões a todo o momento sobre o que seja essa tecnologia, sua validação, até que ponto ela pode ser considerada melhor ou não em relação á outra. Quais as dificuldades encontradas na sua execução, assim como também questões sobre os aspectos da comunicação na sala de aula, quais tipos de transformação que podem acontecer.



quarta-feira, 2 de maio de 2012

Higiene Pessoal

video

Fichamento


FICHAMENTO

Texto de autoria de: VALENTE, José Armando; ALMEIDA, Fernando José de Almeida. Visão analítica da informática na educação no Brasil: a questão da formação do professor, setembro de 1997.  

O presente artigo apresenta os principais marcos do desenvolvimento da Informática na Educação nos Estados Unidos da América, na França e do Brasil. No Brasil a história da informática na tem inicio por volta dos anos 70 a partir de algumas experiências em algumas Universidades, mais apenas nos anos 80 ela se estabelece através de diversas atividades, e este foi um período de muitas dificuldades na inserção desse recurso na educação, a informática não se consolida no sistema educacional pois a maioria dos professores não responderam muito bem a chegada deste recurso.
 Além também da falta de verbas, a preparação inadequada de professores, dentre outros fatores que acabaram por dificultar a inserção da informática na educação. Sobre o Programa Brasileiro de Informática na Educação, aonde o computador tinha como função provocar mudanças pedagógicas e não automatizar o ensino, desenvolver capacidade lógica, alfabetizar, preparar o aluno para o trabalho em empresa, demandando assim uma nova abordagem para os cursos de formação dos professores e novas políticas para projetos as área.
Assim como também descreve as bases para a Informática na Educação no Brasil, aonde a implantação do programa de informática na educação no Brasil tem inicio no primeiro e segundo Seminário Nacional de Informática em Educação, realizados em 81 e 82. Esses seminários estabeleceram um programa de atuação que originou o EDUCOM.
E trata também a questão da formação do professor, aonde os avanços tecnológicos chegaram atropelando o processo de formação do professor, aonde o mesmo não possuía conhecimentos necessários para a utilização correta desta ferramenta na educação, surgindo assim cursos de formação para a aquisição desses conhecimentos, aonde esta formação do professor deve prover condições para que ele construa conhecimentos sobre técnicas computacionais, entendendo como e porque inserir esse recurso na educação, na sua prática pedagógica superando barreiras e dando mais qualidade ao ensino.
Palavras chave: Educação, Formação, Informática.
O autor divide seu artigo em alguns tópicos tratando de cada tema individualmente, porém todo o texto em si se apresenta correlacionado.

A influência de outros países no desenvolvimento da informática na educação brasileira.
“A Informática na Educação no Brasil nasce a partir do interesse de educadores de algumas universidades brasileiras motivados pelo que já vinha acontecendo em outros países como nos Estados Unidos da América e na França.”
“Apesar das nossas inúmeras diferenças, os avanços pedagógicos conseguidos através da informática são quase os mesmos que em outros países. Nesse sentido estamos no mesmo barco. “

Informática na educação nos Estados Unidos da América
“Nos Estados Unidos, o uso de computadores na educação é completamente descentralizado e independente das decisões governamentais. O uso do computador nas escolas é pressionado pelo desenvolvimento tecnológico e pela competição estabelecida pelo livre mercado das empresas que produzem software, das universidades e das escolas. As mudanças de ordem tecnológica são fantásticas e palpáveis mas não têm correspondência com as mudanças pedagógicas. “

Informática na educação na França
“Na questão da Informática na Educação, a França foi o primeiro país ocidental que programou-se como nação para enfrentar e vencer o desafio da informática na educação e servir de modelo para o mundo. A perda da hegemonia cultural (e conseqüentemente da hegemonia econômica) para os Estados Unidos e o ingresso da França no Mercado Comum Europeu levou os políticos franceses a buscarem essa hegemonia através do domínio da essência da produção, transporte e manipulação das informações encontradas na informática.”

As bases para a informática na educação no Brasil
“No Brasil, como em outros países, o uso do computador na educação teve início com algumas experiências em universidades, no princípio da década de 70. Em 1975, foi produzido o documento "Introdução de Computadores no Ensino do 2° Grau", financiado pelo Programa de Reformulação do Ensino e, nesse mesmo ano, aconteceu a primeira visita de Seymour Papert e Marvin Minsky ao país, os quais lançaram as primeiras sementes das idéias do Logo. “

Formação de professores em informática na educação
“A formação de professores do 1º e 2º graus para usarem a informática na educação recebeu uma atenção especial de todos os centros de pesquisa do EDUCOM. É a atividade principal de todos os Centros de Informática Educativa .”
“Essa formação tem sido feita através de cursos que requerem a presença continuada do professor em formação. Isso significa que o professor em formação deve deixar sua prática pedagógica ou compartilhar essa atividade com as demais exigidas pelos cursos de formação. Além das dificuldades operacionais que a remoção do professor da sala de aula causa, os cursos de formação realizados em locais distintos daquele do dia-a-dia do professor, acarretam ainda outras.”

Evolução do computador no Brasil e as implicações na formação de professores.
“Nos Estados Unidos o Apple foi o microcomputador disseminado nas escolas. Era uma máquina simples, de fácil compreensão e domínio, muito flexível e relativamente poderosa e robusta.”
“Essa flexibilidade e fácil domínio fez com que fosse possível o desenvolvimento de todo tipo de software e de hardware para o Apple. E isso era feito tanto por empresas e por especialistas da área da computação, quanto por professores, pais, alunos e pessoas que se interessavam pela produção de material a ser utilizado na educação. O resultado foi a avalanche de material que mencionamos anteriormente.
“No Brasil, embora existissem mais de 40 diferentes fabricantes de computadores do tipo Apple e muito software e hardware disponível, ele não foi adotado como o computador da educação. Isso aconteceu principalmente por limitações técnicas como por exemplo, a impossibilidade de se usar os caracteres da língua portuguesa. Era impossível imaginar que o aluno fosse usar um instrumento na escola que não permitisse escrever corretamente palavras da sua língua entrou nas escolas. “.

Deparamos-nos com diversas questões importantes a serem analisadas e discutidas sobre a informática na educação como:
A questão da utilização dos computadores nas escolas, como foi este impacto e como foi variando de acordo com o local, a prática do professor diante dessas ferramentas de apoio, como aliá-la de maneira positiva na educação assim como a formação desses professores em informática na educação.
O artigo se apresenta de forma muito interessante e de fácil compreensão, aonde as ideias são bem organizadas de forma que facilita acompanhar todo o contexto apresentado.
É bem interessante conhecemos sobre o surgimento da informática no nosso país, como ele se deu, seus marcos importantes para história. Assim como também essa mesma caracterização e relação a outros países, e o mais interessante, a influência de uns nos outros.
A questão da formação abordada é de suma importância, pois não adianta nada ter novos recursos para educação se os professores não estão preparados para inserir os este recurso na sua prática pedagógica.

sexta-feira, 6 de abril de 2012

"SÓ OS IDIOTAS ACHAM QUE A MÁQUINA DEIXA O PROFESSOR MENOS IMPORTANTE. É JUSTAMENTE O CONTRÁRIO. UM PROFESSOR APAIXONADO PELA VIDA ESTIMULA A CURIOSIDADE E A CURIOSIDADE É A MAIOR FONTE DO SABER". 

(PAULO FREIRE